segunda-feira, 17 de março de 2014

Os melhores universos de ficção da atualidade - Parte I: Batman


Tentativa de post novo, espero que fique bom. Como dá pra ver, a ideia é que haja mais de uma parte. Teve pedidos que eu fizesse um A a Z do Batimá, mas já é o tema que eu mais escrevo, na verdade acho que já tá até ficando meio supersaturado, mas... bem, o nome do blog é Joker, se isso não é uma boa razão eu já não sei de mais nada.


E qual é a diferença entre esse post e os "A a Z" que eu já fiz? Os A a Zs eram dossiês, esse também deve ser, mas quero meio que todas as partes juntas façam uma super matéria de vários universos de ficção da atualidade que chutam bundas. Ao invés de simplesmente falar dele, também procurarei argumentar o porquê de eu estar o fazendo. Vamos começar pelo Homem Morcego que já é previsível que eu escreva, afinal, ele já recebeu mimos da minha atenção várias vezes no passado.

O Batman, quando e como tudo começa?


Resumindo, Batman foi criado em 1939, pelos na época jovens Bob Kane e Bill Finger, estreando na revistinha Detective Comics 27. Com o sucesso que o Superman havia feito um ano antes na Action Comics, a DC enxergou que o caminho era criar mais super-heróis. Para a nossa sorte, Kane se mostrou um artista criativo e seguiu uma linha bem diferente, fazendo um personagem detetive, que nem sequer tem super-poderes.


O Cavaleiro das Trevas foi criado com inspiração em esboços de da Vinci, Sherlock Holmes, Zorro, filmes expressionistas de terror e histórias pulp. Com aparência gótica, o Batman chegava para ficar como o primeiro herói de postura séria, agressiva e meio impiedosa. Isso tudo foi em 39, fazendo as continhas nós podemos concluir que Bruce Wayne já está por aí há...

75 anos. Esse Batman é o mesmo de hoje?


Fico feliz em poder dizer que sim. É muito comum nessas histórias que dão certo por décadas muito mudar através do tempo. Pega por exemplo os contos de fadas, com os personagens mais populares que haviam até a chegada dos super-heróis. Esses contos eram terríveis, eram pra dar medo e muitas vezes incluíam mutilações e estupros, tipo de coisa que passa longe dos livros dos irmãos Grimm e desenhos da Disney. O próprio Superman não tem uma origem tão detalhada inicialmente como viria a ter, mas esse não é o caso do Batman.


O bacana foi que Bob Kane fez logo na primeira edição uma origem já bem detalhada do super-herói. É claro que não mostra ele treinando ao redor do mundo, mas muito do que faz parte da essência do personagem em filmes do Christopher Nolan já estava lá desde o início. Na primeira edição Wayne já tem o seu plano claro, se tornar o medo dos criminosos, ter que aterrorizá-los. Estudar teatro para poder proteger a sua identidade pagando de playboy despreocupado quando aparecer como Bruce Wayne. Apurar os seus estudos em diversas áreas como química, psicologia, criminologia e tudo mais o que há para poder ser o vigilante perfeito. Coringa e Pinguim podem ter mudado bastante com o tempo, mas o Batman já era o cara infalível, o Batman já era o Batman.


Caso você tenha curiosidade em conhecer essas primeiras histórias, a coletânea "Batman 70 Anos" reúne as principais. Foi lançado no Brasil, não sei se todos os volumes tiveram fácil acesso, às vezes eles simplesmente param de vender (além de ser tudo caro no nosso país as pessoas ainda não leem muito).


Um grande universo


A razão desse post ser sobre o Batman e não sobre todo o Universo DC, é que na verdade o Batman tem sua própria mitologia particular e autossuficiente. Não é todo o universo DC que tem a mesma moral que o Batman. Caçador de Marte e Aquaman não tem esse crédito de 75 anos que me permita fazer um post desse tipo com eles. Isso não é por eles serem personagens mais ou menos interessantes do que o Batman, mas sim porque além dele ser foda, a sua mitologia toda foi muito bem trabalhada.


Ajudantes do Bats como o Alfred, o Batmóvel, Robin, Gordon e Mulher-Gato se tornaram e ainda são ícones tão populares quanto o próprio. E o que dizer então dos vilões? Coringa, Duas-Caras, Sr. Frio, Pinguim, Arlequina; não importa para qual meio de entretenimento eles migrem sempre se destacam como os melhores antagonistas do terreno. 


Além desse primeiro esquadrão estabelecido com Coringa, Gordon, Robin e Mulher-Gato, hoje existe uma centena de personagens que fazem parte do universo do Batman. Há por exemplo o Damian, filho do Batman, o Batman do Futuro que passava no Cartoon Network, Maggie Kyle, a irmã louca da Mulher-Gato que acaba se tornando vilã pessoal da própria e muitos outros.


Ao meu ver Kane e Finger não são responsáveis por nem metade disso tudo. Eles criaram nem o Ras al Ghul, não criaram o Bane, a Harley... Mas mesmo assim, não haveria tantos artistas que por 70 anos se interessariam em enriquecer tanto esse universo, o deixando mais forte que os outros demais se não tivesse sido criada uma base cativante o suficiente. Sendo assim, acho que esse é o segredo para genialidade do Batman, é como se o seu universo tivesse sido uma plantação onde todos com capacidade pudessem ter vindo colaborar. "Mas isso rola com quase todos os gibis" você pode dizer, mas acho que não é bem assim. Talvez tenha sido sorte, mas o Batman conseguiu se estabelecer bem melhor. Há algo na criação de Gotham que é diferente o suficiente para que ela seja a número 1...

O Asilo Arkham e a Loucura


Um dos passos mais espertos que foi tomado na construção do universo do Batman foi em Batman #258 de 1974 introduzirem o Asilo Arkham na cidade. Os principais vilões como Coringa e Duas Caras foram classificados como deficientes mentais perigosíssimos, não apenas gente ruim. Isso os diferenciou de Lex Luthor e Dr. Octopus levando à MUUUUITAS histórias paralelas que são alguns dos principais atrativos do universo Batman. O próprio herói chega a ser retratado como um personagem insano em várias histórias. Com personagens literalmente loucos, fica muito mais fácil das histórias viajarem em níveis complexos sejam para o público infantil ou para o adulto. Sem falar que a ideia de insanidade é atraente para qualquer curioso em assuntos mentais e psicológicos.


Baixos marcantes, mas altos colossais


Batman teve fases muito ruins nos quadrinhos na Era de Prata e péssimos filmes dirigidos por Joel Scumacher, mas os altos com certeza vencem os baixos. Um dos principais ingressos do Batman para a popularidade total foi a série de comédia dos anos 60. Os personagens criados por Kane e colaboradores se mostraram cativantes o suficiente para serem adaptados a diversos públicos. "Tananana", a corridinha clássica, o "santa alguma coisa", foi uma fase que deixou marcas culturais que ainda não foram apagadas.

As melhores histórias


O Longo Dia das Bruxas: Melhor história no quesito de mistério e investigação. Todos os personagens de Gotham se reúnem em uma teia de acontecimentos para vencer o assassino Feriado. Jeph Loeb e Tim Sale ampliam o arco com Dia das BruxasVitória Sombria e Mulher-Gato: Cidade Eterna;
Ano Um: Releitura dos primeiros dias de Batman feita por Frank Miller. Explora de forma mais fria e violenta a crueldade de Gotham e dá mais atenção ao início de carreira de personagens como Gordon, Mulher-Gato e Harvey Dent;
O Cavaleiro das Trevas: Em um futuro distópico, o Batman dos quadrinhos realmente envelheceu junto com as páginas e está com 50 anos em uma Gotham que AINDA precisa de um Cavaleiro das Trevas;
A Piada Mortal: Alan Moore traça um paralelo permanente entre um dos maiores antagonismos da literatura: Batman e Coringa. Seriam eles dois lados da mesma moeda?
Não Há Esperança No Beco do Crime: História que deixa bem claro como o Batman é o resultado de um grande choque de infância.


Isso tudo é clássico e isso tudo é VELHO! Não pense que eu me esqueci do título do post, "Melhores universos de ficção da atualidade". Essas histórias são todas do século XX, por isso as deixei resumidas. Batman virou o milênio com força total e esse é o ponto. Agora vamos entrar nos detalhes!

Cada vez melhor?


Haviam as ótimas histórias mensais que mantinham o personagem. Isso ainda era adicionado com as excelentes sagas e edições especiais que eu citei brevemente. Houve a série de comédia com Adam West nos anos 60, Batman Animated, o desenho de sucesso do Paul Dini que passava na Warner e os filmes do Tim Burton que foram marcantes. Com tudo isso Batman já teria um dos universos mais brilhantes do passado. Mas não é passado... ele nunca parou. E chegamos (finalmente, você está cansado?) ao ponto principal do post: Batman como um personagem de 75 anos que ainda é um ícone da cultura pop moderna. Indiana Jones também é, talvez o Darth Vader e o Rocky Balboa, mas o que eu quero dizer é que Batman é o mais frequente e incansável de todos. Poderíamos classifica-lo como o melhor?

Shhhhhhhh...!


O século XXI só teve catorze anos por enquanto, como o Batman tem 75 acho que podemos considerar isso como a fase recente dele, não é? Sim? Ok. Em 2002 e 2003, Jeph Loeb, o responsável por O Longo Dia das Bruxas, começou uma das melhores séries do Batman... Silêncio.


Pra iniciar o novo século, é iniciada uma nova trama de mistério em que Batman tem que lidar com todos os seus inimigos que estão sendo organizados por um novo, o próprio Silêncio. A série chegou a ser premiada e levou o Batman a ser a revista em quadrinhos mais vendida dos EUA. Provou que Gotham continuava fresquinha e ainda havia espaço para novas histórias. Silêncio era um amigo de infância de Bruce e se fixou como vilão, atazanado o Batman até hoje. Destaque para Coração de Silêncio, de Paul Dini.


Sob o Capuz Vermelho


Logo depois de Silêncio, um novo criminoso chega a Gotham, o Capuz Vermelho. Como vários no passado, ele quer dominar a cidade (eu sugiro que eles comecem a procurar uma cidade sem Batman). A surpresa vem quando o maluco se revela Jason Todd, Robin que havia sido assassinado pelo Coringa em 1988 na história Morte em Família. Muitos não gostaram disso, mas é difícil alguém ficar no caixão no universo dos quadrinhos e Capuz Vermelho atualmente é um dos personagens mais populares da DC Comics com a sua visão sanguinolenta de justiça.



Batman/Superman: Inimigos Públicos


Logo depois de Silêncio, Jeph Loeb não deixou a sua mente descansar e já escreveu a primeira série do novo gibi que unia os dois heróis mais populares da DC. Na história Luthor é o presidente dos EUA e culpa um meteoro de kryptonita que está chegando a Terra no Superman. Ele coloca uma recompensa de milhões na cabeça dele e do Batman, fazendo com que vários heróis e vilões da DC venham atrás deles. A história ainda tem:

-A união de todos os ajudantes do Batman e Superman para enfrentar Luthor
-O sacrifício do Átomo
-Uma nova série de planos do Lex Luthor que fez uma aliança com Darkseid.
-Um Superman frustrado que vem de um futuro apocalíptico.
-Provavelmente a história que mais liga os dois heróis como amigos e companheiros de trabalho.

Cara a Cara


Lá para 2006 ainda houveram grandes histórias e mudanças, como o Bruce adotar oficialmente Tim Drake (o Robin) e Duas-Caras fazer uma cirurgia plástica para tentar se regenerar como combatente do crime, mas ele decai emocionalmente de novo e por fim joga ácido no próprio rosto provando que suas piores cicatrizes ainda são internas.

A série de Grant Morrison


Nessa longa fase Grant Morrison (que já havia escrito Batman: Gothic e Batman: Asilo Arkham) coloca Batman em uma incessante sequência de acontecimentos loucos. Loucos mesmo cara... SPOILEEEERS! A primeiríssima história começa com Gordon caindo de cima de um prédio dando risada feito um louco graças ao gás do riso do Coringa.


Logo depois é mostrado que o Coringa acabou de matar o Batman e de acordo com ele, agora quer o Papai Noel. É claro que o Batman não tinha morrido e então ele tira um item de seu infalível cinto de utilidades. Bumerangue? Não. Um revólver. Ele dá um tiro no meio da testa do Coringa no momento que o verdadeiro Batman aparece, o outro era um policial corrupto disfarçado. A partir daí começou uma sequência de histórias que durou anos, envolvendo quebra-cabeças de espaço-tempo, a questão da insanidade na perspectiva da realidade, viagens temporais e muito mais. Acontecimentos importantes:

-Surge Damian, o filho de Batman que está sendo treinado por Tália para tomar o lugar de Ras al Ghul.
-Surge a Luva Negra, uma organização com vários vilões liderados pelo Dr. Hurt que alega ser Thomas Wayne que não teria morrido. O objetivo deles é matar o Batman.
-Histórias que mostram um futuro em que Damian é o vigilante de Gotham.
-Batman morre, mata o Darkseid durante uma crise do Universo DC e começa a viajar no tempo até voltar ao presente mas com um nível de energia destrutivo o suficiente para acabar com o mundo.


-Vários personagens lutam pelo manto de Batman quando ele some em Batalha Pelo Capuz.
-Silêncio que havia reformado o seu rosto como o de Bruce Wayne em Coração de Silêncio fica no lugar de Bruce para enganar o público.
-Máscara Negra que supostamente estava morto volta e explode o Asilo Arkham.
-Batman consegue formar uma liga de vigilantes sem super poderes que atuam ao redor do mundo, o que dá em uma outra série que precedeu os Novos 52.

Ah véi, ainda tem muito mais, não vou escrever tudo detalhado, mas dá pra ter ideia de como foi uma das séries mais intensas e complicadas do Batman. O importante é que, o maior desafio que Morrison teve foi algo MUUUUUUITO louco, MUUUUUUITO louco mesmo! Ele fez com que todas essas histórias explicassem que tudo que já havia sido escrito em quadrinhos do Batman realmente tinha rolado na mesma realidade.


Em reboots é muito comum várias coisas não fazerem sentido e não saírem da cronologia, mas Morrison já começou trazendo de volta o filho esquecido do Batman e a partir daí colocou o Batman como um viajante do tempo, o que explica as suas antigas histórias estranhas em que ele vira cacique e conhece alienígenas. O próprio vilão Dr. Hurt remete a uma antiga história que levantava a dúvida se ancestrais de Bruce já haviam sido o Batman no passado.


Os Novos 52: A Corte das Corujas


O Batman foi um dos personagens que menos mudou com o recente reboot da DC, e teve um início bem recebido pela crítica. Gotham City já sofre com problemas de "super população", mas de pouco em pouco vão dando um jeito de introduzir personagens inéditos. A Corte das Corujas é uma organização que já existia em Gotham muito antes do Batman, trazendo uma história pesada e misteriosa que caiu muito bem. Depois disso vieram as histórias do Coringa sem rosto, que não foram muito boas...


Viajando entre mídias


Batman continuou se dando muito bem nos quadrinhos, mas não foi só lá.

1-Animações Nota 10

"Hellooo!"
Houve o Batman do Futuro, que apesar de não ser tão bom criou um novo universo futurístico do Batman e a animação "O Retorno do Coringa", que agradou bastante. Teve vários desenhos solo e da Liga da Justiça, tudo sempre bem inspirado nos quadrinhos. Um dos que durou mais foi Bravos e Destemidos, que apesar de bem infantil, introduziu vários personagens da DC para uma geração mais nova.


Outras adaptações mais recentes foram de gibis como Cavaleiro das Trevas e Capuz Vermelho, destaque para a última que chegou a ficar bem melhor que o gibi.



2-A trilogia de filmes


Após vários filmes pouco conectados e mal finalizados, Christopher Nolan resolveu em 2005 trazer o personagem de volta as telas. Em uma trilogia bem forte, houveram versões eternamente marcantes de personagens como Alfred, Batman, Gordon, Duas Carras e inéditas versões do Coringa e Bane, que ficaram marcados como alguns dos melhores vilões do cinema atual. A série fugiu bem pouco da realidade, mas conseguiu usar o que o universo do Batman tem de melhor: diversidade de temas. Há momentos de investigação, drama, loucura e guerra. Aparentemente a série foi fechada de forma definitiva com o Cavaleiro das Trevas Ressurge de 2012. Apesar de não ter rolado reconhecimento da Academia e similares, os últimos dois estrelam em listas na internet de melhores filmes de todos os tempos com tranquilidade.


3-Os jogos... OS JOGOS!


Depois do sucesso inspirador do filme O Cavaleiro das Trevas, foi lançado em 2009 o game Batman: Arkham Asylum, produzido pela Rocksteady. O jogo só não pode ser chamado de divisor de águas porque não saiu outro game de heróis posterior que se compare a ele. Isso fecha uma grande corrente de que Batman conseguiu ser o herói que na atualidade tem os melhores gibis, filmes, animações e sem dúvida alguma, o melhor videogame.


Além da jogabilidade perfeita e gráficos detalhadíssimos, o jogo revolucionou em vários pontos de escala e teve enredos inéditos no universo do Cavaleiro das Trevas. Em Arkham City chegam a aparecer quase todos os personagens do universo de Gotham e estão dizendo que em Arkham Knight de 2014 terá ainda mais! Na verdade a Rocksteady (produtora do game) está junto com a DC planejando um vilão inédito, um tal de Cavaleiro do Arkham.... por enquanto sabe-se nada sobre ele, mas isso só indica como o universo do Homem Morcego continua longe de ficar parado.


Universo autossuficiente


O Batman pode ser o principal, mas os outros personagens que foram criados para interagir com ele são tão bons que acabam tendo as suas próprias histórias e até as suas próprias mitologias. Vários ajudantes e vilões do Batman já tiveram gibis solos e alguns personagens como a Arlequina já não é uma extensão do Batman, mas sim do Coringa, é como se acabasse tendo mitologias dentro de mitologias. Vou citar alguns dos meus exemplos preferidos.

O Manicômio do Coringa


Essa foi uma muito bacana série de histórias narradas pelo Coringa visando o doentio psicológico dos vilões do Asilo Arkham. Sem Batman, sem Robin, aqui os antagonistas viram os protagonistas. Há histórias de todos os principais vilões, defendendo os seus vingativos pontos de vista.

Coringa


Brian Azzarello faz essa pesada história baseada no Coringa de Heath Ledger. É mostrado puramente o mundo criminoso de Gotham, de forma tão violenta que chega a dar arrepios. Tudo é inspirado no universo de Nolan, apesar de ser bem mais pesado.

Gotham City Sirens


Enquanto Grant Morrison estava matando o Batman em Descanse em Paz, Paul Dini escrevia Gotham City Sirens, série protagonizada pelas três principais criminosas de Gotham: Mulher-Gato, Hera Venenosa e Arlequina. Dini acerta no ponto e as histórias além de terem bastante ação são divertidas mostrando vilãs como três amigas morando junto. Eu não acreditei quando vi que a Harley passa o dia todo no Twitter xingando pessoas e discutindo que vampiros são mais legais do que lobisomens. Outros personagens como Coringa, Silêncio e Charada aparecem de vez em quando. Todas essas histórias são de fases recentes e tem bastante ação. Ainda há gibis solos da Mulher-Gato, Robin, Asa Noturna, Batgirl e etc.

Imperador Coringa


Jeph Loeb strikes again! Tanana! Não esqueceu dele ainda, né? É o cara do Longo Dia das Bruxas. Imperador Coringa foi de 2000, uma série de histórias do Superman tendo que enfrentar o mais louco vilão do Batman. Isso se deu quando Mister Mxyzptlk (tinha ele no desenho do Super Amigos, lembra?) estava entediado e como sempre foi encher o saco de algum personagem da DC. Dessa vez ele foi no Asilo Arkham fazer um jogo com o Coringa, mas nada supera a mente insana do Palhaço. Ele enganou o poderoso ser em seu próprio jogo, conseguindo poderes o suficiente para alterar toda a realidade. Nada mais legal do que o Palhaço do Crime podendo fazer frente a toda a Liga da Justiça...


Essa história não teve muitas adaptações, não sendo muito conhecida, mas houve uma breve releitura que eu achei no Youtube, do desenho Bravos e Destemidos do Cartoon. Eu não acompanhei então nem sabia.



Fiquei com inveja... na minha época o Coringa não tocava guitarra muito menos cantava.


Então...


Sempre falamos como o Batman é foda e blá blá blá... mas eu concordo que ele é o melhor. Não só da DC ou como super-herói, melhor em tudo que se relaciona a Ficção. Hoje em dia você acha nada com esse tamanho e diversidade. É um herói de cidade e tal, não tem super poderes, mas pra mim a mitologia dele é a mais rica de todas. Compara com um cara que já foi o herói mais popular de todos: o Homem-Aranha. Ele não deu a mesma sorte que o Batman. Seus filmes eram bons mas agora temos essas bostas, os gibis estão na sua pior fase de todos os tempos nas mãos de Dan Slott, os jogos nunca foram tão pouco criativos. É um lixo! É duro se manter por tanto tempo, por isso acho bacana destacar a firmeza desigual da Bat-Mitologia, que acabou indo além de Batman e fazendo um território enorme.


O post acaba por aqui, mas vai ter mais, essa foi a parte 1, e a próxima terá nada a ver com Batman. Não, ainda não vou te contar qual será o próximo tema. E sim, eu ficarei super felizinho se você tentar adivinhar pelos comentários e me dizer o que achou desse. Obrigado e até o próximo. Vai demorar, mas isso não impede de escrever outras coisas até lá. E o Batman sem dúvidas continuará envolvido, primeiro porque é o meu personagem preferido, segundo que...


...e terceiro...


e ...quarto!


9 comentários:

  1. Foi o melhor post q eu já li seu , sério mesmo , ñ é só pq vc gosta do batman( oque é uma ótima explicação) mas vc aprofundou e ficou bom demais , parabéns e continue assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vlw! Isso me influencia a continuar fazendo posts desse tipo pessoal! Os comentários são poucos, mas só com eles mesmo dá pra ter certeza que vocês gostaram, muito obrigado. Que haja mais, hehe.

      Excluir
  2. Melhor Impossível, nota dez douglas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado "Secret Gamer"! o/ Tanto esse quanto o Arkham Nightmare só escrevi porque você deu a ideia, e por fim deram muito certo, obrigado! Se tiver como compartilha lá na página da Trajetória por favor, cara, é difícil com esse blog. Por enquanto esse teve nem 20 views, quando você coloca lá voa, ajuda em mais de 100%! A page q eu criei acabou não sendo tão eficiente quanto eu esperava e.e

      Excluir
    2. Pode deixar que já está postado.

      Excluir
  3. Children Of The Grave18 de março de 2014 10:19

    muito FODA o post. o Batman é o melhor

    ResponderExcluir
  4. "Houve o Batman do Futuro, que apesar de não ser tão bom...".
    Se não fosse tão bom não teria durado três temporadas. Se não fosse tão bom os fãs não teriam passado anos pedindo pro personagem entrar pra cronologia oficial, algo que vai finalmente acontecer. A galera tem que aprender a não ser tão cabeça dura em relação as coisas novas que surgem dentro da mitologia do Batman. Ninguém reclamou do Dick virar Batman depois de R.I.P. sendo que ele já estava consolidado como Nightwing, logo, não entendo o porque tem uma galera que menospreza o Terry.

    ResponderExcluir
  5. Children Of The Grave: Vlw cara, fico feliz que tenha gostado e continuado entrando no blog :D

    The Dark Knight: Bem cara, você entendeu meio mal, se eu menosprezasse tanto ñ tinha mencionado. Sinceramente ñ posso falar mto dessa série pq faz tanto tempo q passava q nem lembro direito mais, mas me lembro que alguns eps não cativavam tanto quanto outros. Em compensação alguns tenho guardado na memória como o que mostrava uma quarta versão do Cara de Barro originada de um esqueleto radioativo enterrado na terra. Nunca esqueço daquele esqueleto verde... Quero fazer uma balada em que no lugar do globo brilhante haja um esqueleto verde radioativo.

    ResponderExcluir
  6. Tem uma HQ antiga onde o Coringa já brincava com a realidade. Publicada em 1982, pela Ebal, e depois em 1993, pela Ed. Abril, a HQ é um crossover da DC e Marvel.

    Batman Versus O Incrível Hulk:
    http://antimonitorhqsv1.blogspot.com.br/2010/07/especial-crossovers-marvel-e-dc-batman.html

    ResponderExcluir